Boneca Russa merece uma maratona


por Taciana Oliveira___



Sim, Boneca Russa merece uma maratona. Assisti de um fôlego só. A série tem um roteiro inteligente, uma narrativa enxuta construída por diálogos hilários. A ironia e o loop atemporal que permeia os oito episódios são a fonte de sustentação para o desenvolvimento dos conflitos psicológicos das personagens. Porém, nem tudo na série é motivo pra gargalhada. Rir de tudo em Boneca Russa é sinal de desespero.
Natasha Lyonne
A história começa na comemoração do aniversário de Nadia (Natasha Lyonne), que após um acidente “fatal” mergulha em uma espiral de repetições diárias com efeitos diferentes para determinadas situações de sua existência. Nessa viagem é possível vislumbrar passagens determinantes na formação de sua personalidade, e perceber que o seu envolvimento com o mundo estabelece consequências inevitáveis para quem a cerca. Com um elenco extremamente afinado, uma montagem ágil e uma trilha sonora que te pega no primeiro verso de Gotta Get Up, de Harry Nilsson, a série é uma caixa de referências pop que vão desde a citação do filme Vidas em Jogo de David Fincher até o nome da empresa onde Nadia trabalha, Rock and Roll Games, uma homenagem explícita a produtora Rockstar Games, das séries Grand Theft Auto e Red Dead Redemption.
Fuja do clichê “mais um roteiro parecido com o filme Feitiço do Tempo.” A produção em questão não é o primeira a utilizar do mesmo recurso narrativo. La jetée, um curta-metragem de ficção científica, dirigido pelo francês Chris Marker em 1962, já apostava na fórmula. Há dezenas de outros títulos que utilizam dessa ferramenta criativa para criar histórias que transcendem além do loop atemporal e da viagem no tempo. Boneca Russa não é uma simples comédia de costumes. A proposta das roteiristas Natasha Lyonne, Leslye Headland e Amy Poehler, extrapola comparações simplistas com o filme de Harold Ramis. Fuja dessa premissa e dê o play no primeiro episódio.



* Pra quem quer matar a curiosidade sobre o curta francês, segue o link com legendas 
em inglês:





                                                                              ------

Taciana Oliveira é cineasta, torcedora do Sport Club do Recife, apaixonada por fotografia, café, música e literatura. Coleciona memórias e afetos. Acredita no poder do abraço. Canta pra quem quiser ouvir: Ter bondade é ter coragem.