Mostrando postagens com marcador Prelo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Prelo. Mostrar todas as postagens

por João Gomes__

 

por Taciana Oliveira__

Plaquete com três poemas de João Gomes. Disponível para download. Clica aqui.


Por Taciana Oliveira__


por Taciana Oliveira__
Um plaquete com três poemas de Ramon Carlos. Disponível para download. Clica aqui.

por Taciana Oliveira__

Nesta edição o segundo plaquete, de um total de quatro, do projeto Quando tudo for possível ou uma Declaração, da escritora Lisa Alves. Vocês podem assistir o vídeo produzido e narrado pela poeta e acessar o arquivo completo do plaquete hospedado nas plataformas Internet Archive e Calaméo.

ASSISTA O VIDEOPOEMA

















por Taciana Oliveira__


por Taciana Oliveira____


Por Taciana Oliveira___

Um plaquete do poema O corpo é esse mar de sangue, de Wanda MonteiroDownload gratuito: clica aqui!


Por Mirada__


Por Rebeca Gadelha__
Curadoria por Taciana Oliveira__

por Taciana Oliveira__


por Thiago Noronha__


Por Rebeca Gadelha__
Curadoria por Taciana Oliveira__

Esta zine surge da necessidade de movimento e da impossibilidade de continuarmos a ocupar as ruas, muros e repartições com arte, transportamos esta ocupação para o mundo digital. A proposta aqui é trazer a arte de isolamento para isolamento a fim de nos manter conectados não apenas com os outros, mas com nós mesmos. Dito isso, é traremos vários autores e autoras que, com seus versos, prosas, fotografias ou ilustrações nos falem sobre a poesia que (in)existe nesses dias em que quase esquecemos como é estar do lado de fora.
                                                                              Rebeca Gadelha






Para fazer download do arquivo: Internet Archives

____________________________
Fabrício Saldanha é Engenheiro Eletricista formado pela Universidade de Fortaleza (UNIFOR). Observador do cotidiano, Rpgista, cinéfilo e participante de grupos de estudo de roteiro de cinema. Possui em seu currículo literário participação na antologia Paginário (Aliás Editora, 2019). Escreve atualmente em seu blog que se intitula Deturpadamente e possui um ig literário com o mesmo nome.
                         ______________________________________
Rebeca Gadelha nasceu no Rio em agosto de 1992, cresceu em Fortaleza, na companhia dos avós. Geógrafa sem senso de direção, artista digital, é apaixonada por animes, mangás, games e chá gelado. Tem medo de avião e a única coisa que consegue odiar de verdade é fígado. Foi responsável pela diagramação, ilustrações e concepção visual em Manifesto Balbúrdia Poética: 80 tiros (CJA Editora), Coordenação, Designer e ilustrações em Laudelinas (Editora Nada Estúdio Criativo), participa da coletânea Paginário, publicada pela Editora Aliás. Atualmente escreve para as revistas do Medium Ensaios sobre a Loucura e Fale com Elas sob o pseudônimo de Jade.
                                                                   

                                                                              ***




Taciana Oliveira é mãe de JP, cineasta, torcedora do Sport Club do Recife, apaixonada por fotografia, café, cinema, música e literatura. Coleciona memórias e afetos. Acredita no poder do abraço. Canta pra quem quiser ouvir: Ter bondade é ter coragem.






Por Taciana Oliveira__
O plaquete Cronotanatognose, um poema de Suyane Spinosa, é a nossa publicação de hoje da seção Prelo. O arquivo está disponível para download no site do Internet Archive. Curadoria de Lisiane Forte e Taciana Oliveira .







#PoesiaBrasileira  #LiteraturaFortaleza  #SuyaneSpinosa


_____________________________________________________________________

Suyane Spinosa é fortalezense, possui formação em sociologia e audiovisual. Se interessa por música, filmes, fotos antigas, sonhos e desenhos.


por Adriano B. Espíndola Santos__

Fotografia: Lukas Bornhauser


Sustos graves, sequenciados, e, pronto, a carga emocional; e o medo no tracejar da vida. Menino Fernando precisava arranjar um jeito de se proteger da inexorável perturbação. Esse seu coraçãozinho, próprio de um passarinho, poderia não vingar: são.

Pois bem; vê-se uma aparente normalidade naquela casa de muros amarelos – porta afora. Fachada linda, pintada. Portões de alumínio, concordes à última moda. Um diplomata comodoro na garagem – o único, talvez, a ostentar, num raio de cem quilômetros, um toca-fitas com uma minúscula televisão. Amélia, uma amiga de mamãe, conjeturou vaga: “Amiga, que casa linda; que família maravilhosa! Benza Deus!”. Arrebatada pela superfície da beleza.
Não seja leviano, rapaz, não foi tão horroroso assim”. “Que exagero!".  A atroz consciência me condena. A inconsciência, o escape, por vezes me surpreende. O receio. O medo de ser injusto. Mas as pessoas não ouviram; não sentiram… Quem foi capaz de apartar de mim as brigas, os gritos, os estrondos monumentais? Como, pequeno, entender e digerir tudo; todo aquele peso adulto? Menino Fernando, tão franzino, quieto, calado, passivo, ingênuo: menino.

Agora, não devo me afobar tanto. É tempo de afinar as ideias; apurar desejos, sonhos. É estratégia de remição, aproveitar a proposta crível da transmutação, para me curar por ti, menino Fernando. Ouça-me. Ajude-me. Somos um.
Quando minha mãe arrebentou Iracilda na porrada, o meu ímpeto foi por sua defesa. Ainda que não fosse tão afeito à sua figura grotesca, passávamos horas e horas, eu e meu irmão, sob seus cuidados. Havia, claro, um sentimento ínfimo (de medo): “Se ela for embora, quem vai cuidar de mim quando mamãe não estiver?”.

Não sobrou tempo para tomar pé da situação. A mulher saiu escorraçada. “Quis seduzir seu pai; aliciá-lo, para se apartar de nós e arrumar uma nova família!”, mamãe vociferava. “Aquela cachorra quer que ele a sustente!”. Rondava a conversa que, de fato, papai preparava as malas; que, pouco a pouco, ia deixando coisas suas em Pacajus, para, prontamente, se mudar em definitivo. O calvário. O martírio. O espezinhar mórbido, renitente, impassível.
O rinoceronte irrompeu a paz, ao adentrar a casa, naquele fatídico dia. Bêbado, reclamou a presença de Iracilda, após um fim de semana incógnito. Não havia celular. O isolamento programado, desleixado, completo.

A convulsão o seguia. Mamãe aos prantos, porque o rinoceronte queria sumir de vez. Dessa parte só tive notícia. Eu dormia, às duas da manhã. Mas mamãe me acordou, desesperada: “Corra! Seu pai quer ir embora! Peça, pelo amor de Deus, para ele não ir!”. Um loop infinito: pelo amor de Deus. Pelo amor de Deus. Pelo amor de Deus. Uma dízima periódica, que dizimou o raso nirvana que se projetava em mim. Aos seus pés, quase em oração: “Pai, ‘pelo amor de Deus’, não vai embora! Pai, ‘pelo amor de Deus’, não deixa a gente aqui!”.

Chorava. Retorcia-me. Escondia-me nos profundos da casa. Sem saber o porquê daquilo tudo. Uma dor que ia e vinha, quando menos se esperava. Quando menos se espera.
A primeira vez. O rinoceronte não se foi, por mim. Senti-me fio frágil de uma suposta estabilidade.

Repetidas vezes, quando o rinoceronte se encantava com o mundo selvagem, lá ia eu, o pequeno redentor, que o tragava do fosso da perdição, agarrá-lo e suplicar: “Pelo amor de Deus!”. Depois (ufa!), a religião me substituiu nessa tarefa dolorosa – para o bem ou para o mal, abandonei a obrigação.

A bigorna me deixava circunspecto ao lugar e, por isso, me liberava na fantasia.

Louvo me derramar pela arte, com a boa vontade da posteridade para me aturar. Pois que, de outro modo, não poderia me desvencilhar dos vestígios do mau que me sucedeu.

Como Freud, meu refúgio e minha salvação é a literatura; a elucidação de minhas mais intricadas proposições; a chave de acesso e de conexão ao universo inconsciente, com dois trilhões de galáxias inexploradas em mim.

Caro menino Fernando. Muito caro. Caríssima a liberdade. Inalienável.

Enfim, sigamos, não é o fim.

______________________________

Adriano B. Espíndola Santos. Natural de Fortaleza, Ceará. Autor dos livros Flor no caos, 2018 (Desconcertos Editora), e Contículos de dores refratárias, 2020 (Editora Penalux). Colabora mensalmente com a Revista Samizdat. Tem textos publicados nas Revistas Acrobata, Berro, InComunidade, Lavoura, LiteraturaBr, Literatura & Fechadura, Mallarmargens, Mbenga, Mirada, Pixé, Poesia Avulsa, Ruído Manifesto, São Paulo Review e Vício Velho. Advogado humanista. Mestre em Direito. É dor e amor; e o que puder ser para se sentir vivo: o coração inquieto.


por Rebeca Gadelha 
Curadoria de Taciana Oliveira__

por Rebeca Gadelha __ 
Curadoria de Taciana Oliveira

por Taciana Oliveira__
por Taciana Oliveira__

A poesia árida e agridoce de Daniel Glaydson Ribeiro é testemunha explícita do colapso humanitário que nos rege. A lama que nos consome triunfa no solo semeado de mortes e ignorância. E assim Daniel escreve: o medo é uma larva coletiva
A resiliência virá? Não sabemos. Façamos da dor a estrutura do verso. Nietzsche em Assim falou Zaratustra ditou: Eu vo-lo digo: é preciso ter um caos dentro de si para dar à luz uma estrela cintilante.
Daniel desenha no seu poema uma crítica honesta ao capital, ao descartável. Ele nos faz refletir que podemos romper a casca e enxergar além das linhas dos códigos de barra.

Participou da Curadoria: Argentina Castro.  
Ilustrações: Sanzio Marden.
Diagramação: Rebeca Gadelha
Faça download do plaquete : Internet Archive 








____________________________________________
Daniel Glaydson Ribeiro nasceu em Picos (1985). Pai de Anita, Tarsila e Bento. Professor do Instituto Federal do Piauí. Experimenta e medita os Círculos de Envolvimento, colocando em práxis no ensino de língua e literatura uma proposta democrática, em que tod@s se expressem ética e esteticamente. Dentre as publicações recentes, estão: “Corpo consciente e os círculos de envolvimento (ciber)cultural” no livro 50 olhares sobre os 50 anos da Pedagogia do Oprimido (2019); o poema “Põlinud-iná” na revista Desenredos (2020); e traduções de Paul Valéry na revista Em Tese (UFMG), juntamente com Fábio Roberto Lucas. Pesquisou a obra de Jorge de Lima no doutorado em Teoria Literária e Literatura Comparada (USP), mergulhando no acervo do Arquivo-Museu de Literatura Brasileira da Fundação Casa de Rui Barbosa. Carnifágia malvarosa: as violações na Suma Poética de Jorge de Lima, indicada ao Prêmio Capes de Tese, traz à luz material do processo genético da neobarroca Invenção de Orfeu. Hoje, coordena o projeto de extensão “Linguagem e poesia #dendicasa”, cuja produção pode ser encontrada em youtube.com/Linguagemepoesiadendicasa
   ___________________________________________________________________






Taciana Oliveira é mãe de JP, cineasta, torcedora do Sport Club do Recife, apaixonada por fotografia, café, cinema, música e literatura. Coleciona memórias e afetos. Acredita no poder do abraço. Canta pra quem quiser ouvir: Ter bondade é ter coragem.


por Taciana Oliveira __
Três poemas da escritora Cinthia Kriemler na Caixa de Poesia do Mirada. O primeiro poema, Eugenia, chega no formato plaquete e com download gratuito disponível no site Internet Archive.